O Económico apurou que a administração da Cimpor comunicou no passado dia 13 um processo de despedimento colectivo que abrange 25 funcionários.

Está agendada para 21 de Outubro, próxima quarta-feira, uma reunião entre os representantes da administração da cimenteira, os membros da comissão de trabalhadores e representantes do Ministério do Emprego, como é exigido por lei.

O Económico apurou que os 25 funcionários da Cimpor abrangidos por este processo de despedimento colectivo são da área técnica, quadros intermédios e superiores e alguns administrativos da sede da empresa, na Avenida Alexandre Herculano, em Lisboa, e do entreposto, na Maia.

“Fruto da desaceleração económica sentida em geografias-chave para a sua actividade e perante os desafios em perspectiva para 2016 no seu universo de actuação, a companhia vem implementando um conjunto de medidas estruturais de adequação ao presente contexto”, admite fonte oficial da Cimpor numa declaração a que o Diário Económico teve acesso.

O documento acrescenta que, “neste sentido, iniciou na passada terça-feira, um processo de reestruturação que afectará 1% dos seus colaboradores, em países como o Brasil, Argentina e Paraguai”.

“Em Portugal, este processo cinge-se a cerca de 25 profissionais que desempenhavam funções nas áreas corporativa e de suporte ao negócio e ‘staff’ da unidade de negócio Portugal e Cabo Verde, não abrangendo qualquer redução nas unidades fabris da Cimpor”, acrescenta a referida comunicação oficial da Cimpor.

Em 2013, a Cimpor iniciou um processo de rescisões por mútuo acordo, que envolveu mais de uma centena e meia de funcionários, que incidiu essencialmente sobre os trabalhadores das unidades fabris da cimenteira.

A Cimpor é controlada pelo grupo brasileiro InterCement, da Camargo Corrêa.

Fonte: Económico

Comentários

comentarios

2015-10-17T12:08:27+00:0017/10/2015|Categorias: Portugal|Tags: , |0 comentários
error: Segurança, acima de tudo! ;)