Brasil, Angola e Espanha são os destinos para lançar a Delta Q. Vendas crescem 120% este ano.

A fábrica de café Delta, em Campo Maior, teve de derrubar paredes para que a máquina gigante de cápsulas conseguisse instalar-se no seu local de trabalho. Esta é, nas palavras do administrador Rui Miguel Nabeiro, “a máquina mais cara que a Delta alguma vez comprou” – sem revelar o valor do investimento – e que vai servir para expandir o negócio Delta Q para o Brasil, Angola e Espanha.

A marca Delta Q faz três anos em Novembro e ultrapassou em Agosto, pela primeira vez, a Dolce Gusto, da Nestlé, nas vendas em retalho, tornando-se líder de mercado neste segmento, já que a Nespresso não está à venda na distribuição moderna. Segundo dados da consultora Nielsen, referidos por Rui Miguel Nabeiro, em entrevista ao Diário Económico, a Delta Q terminou Setembro com uma quota de mercado de 50,6% em unidades, o que aumentou a distância que já tinha em Agosto da Dolce Gusto.

Rui Miguel Nabeiro, administrador e neto do fundador do império Delta, admite que a liderança deste canal de vendas era meta para 2010. “Não podíamos acabar o ano sem sermos líderes no retalho.”

Por isso, agora é tempo de rumar com as cápsulas de café para fora de Portugal. “Queremos apostar seriamente no Brasil, Angola e Espanha. Temos mesmo de entrar em Espanha rapidamente. É um mercado importante mas onde ainda não entrámos em força.” A Delta Cafés tem 4% do mercado espanhol, ainda sem Delta Q.

Fonte: Económico

Comentários

comentarios

2010-10-31T14:19:32+00:0031/10/2010|Categorias: Portugal|0 comentários
error: Segurança, acima de tudo! ;)