São cerca de duas mil empresas que beneficiam de apoios comunitários.

As empresas portuguesas já receberam 629 milhões de euros de apoios comunitários destinados a promover o crescimento. Um valor que representa uma taxa de pagamento de 31,6% dos fundos comunitários destinados às empresas.

Até 30 de Novembro, no mais recente balanço feito pelo Comete, o Programa Operacional Factores de Competitividade do QREN, a que o Diário Económico teve acesso, há 2.085 projectos de empresas apoiados, numa taxa de compromisso do orçamento total (1,99 mil milhões de euros) de 104,8%.

No entanto, o Compete abarca muito mais do que apenas apoio às empresas, dado através dos sistemas de incentivos, de capitais de risco ou até acções colectivas desenvolvidas pelas associações empresariais. Programas relacionados com a ciência, com a modernização da Administração Pública e assistência técnicas com taxas de execução mais baixas, colocam a execução total do Compete em 22,9%. Recorde-se que o ministro da Economia, Vieira da Silva, definiu os 20% como meta de execução dos fundos comunitário.

O gestor do Compete, Nelson Souza, explica que as diferentes velocidades de execução traduzem a prioridade dada às empresas, que por sua vez vai “ao encontro da capacidade de resposta das empresas”. Já a Administração Pública, com taxas de execução de 4,1%, traduz as dificuldades orçamentais do país e os cortes na despesa pública.

O responsável sublinha ainda que ao nível dos Sistemas de Incentivos “a taxa de compromisso é de 110% e a taxa de pagamentos de 29%”. “O Compete baixa por influência dos Programas Operacionais Regionais”, acrescenta, a braços com o endividamento das autarquias.

Fonte: Económico

Comentários

comentarios

2010-12-07T00:19:10+00:0007/12/2010|Categorias: Estatística|0 comentários
error: Segurança, acima de tudo! ;)