A Moody’s colocou hoje a classificação da dívida portuguesa sob vigilância negativa, indicando que pode baixar a nota do País.

De acordo com uma nota divulgada hoje pela Moody’s , a classificação do risco da dívida de curto e longo prazo de Portugal corre o risco de ser cortada em um ou dois níveis.

Os especialistas da agência de notação financeira norte-americana justificam a colocação do ‘rating’ de Portugal sob vigilância negativa por haver algumas incertezas em redor do crescimento económico do país e pela possibilidade do preço de financiamento do país nos mercados externos poder aumentar no próximo ano.

A Moody’s revela também preocupações relativamente às métricas da dívida governamental, sobretudo “caso os bancos necessitem de suporte para aceder aos mercados.” Todavia, Anthony Thomas, vice-presidente da Moody’s e analista responsável para Portugal, frisa que a “solvibilidade do país não está em causa.”

No documento, pode ainda ler-se que “a aproximação de Portugal ao Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF) pode provocar um impacto positivo nas incertezas de curto prazo” mas a procura por “ajuda externa vai aumentar os receios de acesso aos mercados no médio prazo.”

A Moddy’s refere ainda alguns receios acerca da “habilidade de Portugal aceder aos mercados a um preço estável” em 2011.

Também hoje o vice-primeiro-ministro chinês, Wang Qishan, revelou, no decorrer do Fórum entre a China e a União Europeia que as autoridades chinesas querem juntar-se aos esforços da União Europeia e ao Fundo Monetário Internacional para garantir a estabilidade financeira no seio do espaço do euro. Segundo declarações do governante chinês, já terão mesmo sido tomadas medidas concretas nesse sentido.

Recorde-se que para o próximo ano Portugal necessita de ir ao mercado com o intuito de refinanciar a sua dívida em 27 mil milhões de euros e que a revisão do ‘rating’ do risco da dívida portuguesa sob vigilância negativa ocorre cinco dias depois de a Moody’s ter feito o mesmo com Espanha.

A ‘yield’ dos títulos de dívida Portugal estão a registar ligeiras subidas em todas as maturidades. É o caso da ‘yield’ das obrigações do Tesouro (OT) a 10 anos, que está actualmente a subir 1,4 pontos base para os 6,704%.

O diferencial entre a ‘yield’ das OT a 10 anos face às congéneres alemãs (‘bunds’) está actualmente nos 376,78 pontos base e o preço dos ‘credit default swaps’ (CDS) sobre as OT a 5 anos estão a subir 5,9 pontos base para os 474,92 pontos base.

Fonte: Económico

Comentários

comentarios

2016-12-01T15:39:10+00:0021/12/2010|Categorias: Portugal|0 comentários
error: Segurança, acima de tudo! ;)