A China deve comprar dívida pública portuguesa, entre outras, para ajudar a Europa a sair da crise e para limitar a 3% a valorização da divisa chinesa, defende Wang Yong, académico do banco central chinês.

Num artigo de opinião que o jornal Securities Times publica hoje, Wang defende que a China deve formar alianças com outros países – incluído Portugal – para evitar que os EUA consigam reunir uma coligação para obrigar Pequim a valorizar o yuan – a moeda chinesa – acima dos 3%.

Uma das formas de congregar este grupo de apoio é comprar dívida soberana de Portugal, Grécia, Irlanda e Itália, apoiando “activamente” a resolução da crise de dívida europeia, refere o académico, que ensina no centro de formação do Banco Popular da China (banco central).

Citando dados oficiais chineses, Wang refere que os sectores exportadores chineses só conseguirão enfrentar uma valorização entre os 3 e os 5%. “Por isso deveríamos estabelecer um limite,

[que] só permitisse uma subida de 3% do yuan este ano, no máximo”, sublinha Wang Yong.

“Na actualidade o Japão, a União Europeia, a Austrália, a Coreia do Sul, o Brasil e alguns outros países já estão a intervir nos mercados de divisas, para lidar com a valorização das moedas locais”, acrescenta.

Fonte: Oje

Comentários

comentarios

2016-12-01T15:39:15+00:00 11/10/2010|Categorias: Internacional|1 comentário
error: Segurança, acima de tudo! ;)