O secretário de Estado do Comércio, Fernando Serrasqueira, disse hoje no Algarve que o comércio perdeu entre 2008 para 2009 três mil postos de trabalho, mas que é o sector que melhor tem reagido à questão do desemprego.

À margem da celebração de um contrato de cooperação entre a cadeia sueca Ikea e a Câmara de Loulé, o secretário de Estado do Comércio explicou que em tempo de crise o sector do comércio foi o que menos sobre com o desemprego.

«O comércio, neste período de crise, e de 2008 para 2009, perdeu cerca de três mil postos de trabalho. Ora no período alto da crise o comércio tem sido o sector que melhor tem reagido ao desemprego», reiterou.

Questionado pela Agência Lusa sobre se a futura loja do Ikea, prevista para ser criada até 2015 em Loulé, iria causar desemprego no comércio tradicional, Fernando Serrasqueira reiterou que o comércio tem criado emprego e que é o sector que «melhor tem resistido».

Um ano depois de ter anunciado pretensões de abrir uma loja e um centro comercial Inter IKEA em Loulé até 2015, a cadeia sueca Ikea celebrou hoje um contrato de cooperação com a Câmara de Loulé.

A criação de uma nova grande superfície no Algarve preocupa, todavia, a Associação Comercial da Região do Algarve (ACRAL) estima que a criação dos mais de três milhares de postos de trabalho – directo e indirecto – pelo grupo Ikea podem fazer milhares de desempregados no comércio tradicional regional.

O presidente da ACRAL, João Rosado, cita um estudo feito pela Universidade Católica, a pedido da Confederação do Comércio Português (CCP) em 2004, que indica que por cada posto de trabalho criado numa nova grande superfície são extintos quatro no comércio local.

O secretário de Estado do Comércio, Fernando Serrasqueira, refere que essa estimativa é um «axioma».

«O estudo da Universidade Católica começa por dizer que a CCP diz que por cada posto de trabalho criado se perdem quatro, ora isso é um axioma, é considerado à partida, mas não está provado em lado nenhum e só a partir daí é que se fazem as conclusões», argumenta Fernando Serrasqueira.

Também em Loulé, mas no eixo Loulé/Quarteira, está equacionado um projecto da Auchan, denominado ‘Alegro Algarve’, representando um investimento de 400 milhões de investimento e quatro mil postos de trabalho directo numa área total de 40 hectares. Todavia, e ao contrário do projecto do Ikea, ainda não deu entrada nenhum pedido de licenciamento de localização junto das autoridades.

Fonte: Sol

Comentários

comentarios

2010-12-02T16:48:01+00:0002/12/2010|Categorias: Estatística|0 comentários
error: Segurança, acima de tudo! ;)