Portugal vai participar com 98 empresas na maior e mais prestigiada feira mundial de calçado, que se realiza em Milão, Itália, entre 3 e 6 de Setembro. Será a maior presença de sempre da indústria nacional de sapatos num evento internacional.

A indústria portuguesa de calçado, que exporta praticamente toda a sua produção para 152 países, nos cinco continentes, vai estar representada na Micam, em Milão, com uma presença recorde de 98 empresas nacionais, mais quatro do que na anterior edição da maior e mais prestigiada feira mundial do sector.

“Trata-se da maior presença de sempre do sector num evento no exterior”, enfatiza a Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos (APICCAPS), em comunicado. Portugal voltará a ser a segunda maior delegação estrangeira na feira, sendo apenas superada pela Espanha.

Ao todo, serão mais de 1.600 expositores, de aproximadamente 50 países, e mais de 40 mil visitantes profissionais que marcarão presença na Micam.

As quase 100 empresas portuguesas que vão estar na Micam, que se realiza de 3 a 6 de Setembro próximo, respondem por mais de oito mil postos de trabalho e cerca de 500 milhões de euros de exportações.

A APICCAPS realça que “sensivelmente 190 empresas da fileira do calçado estão a participar, desde o início do ano, num megaprograma de promoção à escala internacional, que se traduzirá na presença em mais de 60 dos mais prestigiados fóruns internacionais da especialidade”.

Exportações aumentam mais de 50% desde 2009

O sector português do calçado, que exporta mais de 95% da sua produção, vendeu ao exterior, no primeiro semestre deste ano, cerca de 40 milhões de pares de calçado, no valor de 902 milhões de euros, o que traduz um crescimento de 1,8% em relação ao mesmo período do ano passado.

“A confirmarem-se estes valores até final do ano, 2016 será o sétimo ano de crescimento do calçado português nos mercados externos”, destaca a associação patronal do sector.

Desde 2009, as vendas de calçado português nos mercados internacionais aumentaram mais de 50%, passando de 1,2 mil milhões de euros para quase 1,9 mil milhões de euros no final do último ano.

Na primeira metade de 2016, o calçado português registou um crescimento homólogo de 2,8% no mercado europeu, fruto dos bons desempenhos em países como França (mais 1,5%, para 196 milhões de euros), Holanda (mais 0,4%, para 129 milhões de euros), Espanha (mais 8%, para 93 milhões de euros) e Reino Unido (mais 7%, para 61 milhões de euros).

Fora do espaço europeu, as já esperadas quedas em Angola (menos 61%, para cinco milhões de euros) e Rússia (quebra de 15%, para 8,5 milhões de euros), foram compensadas pelos crescimentos nos Estados Unidos (mais 14%, para 34 milhões de euros), China (“perfila-se já como um dos mercados extracomunitários mais relevantes para o calçado português”, com um crescimento de 30%, para sete milhões de euros na primeira metade de 2016) e Austrália (mais 24%, para 6,5 milhões de euros).

A APICCAPS destaca ainda “o bom desempenho” do sector de artigos de pele e marroquinaria, que registou um crescimento homólogo das exportações de 14%, para um total de 85 milhões de euros.

Fonte: Negócios

Comentários

comentarios

2016-08-24T07:20:33+00:0024/08/2016|Categorias: Portugal|Tags: , , |0 comentários
error: Segurança, acima de tudo! ;)